Seja bem vindo ao Fome Cultural...

Lembrando a todas as pessoas que se interessarem por algum evento ou atividade postadas aqui, devem encaminhar email ou fazer contato para os endereços indicados na postagem a que se interessaram. Nós do Fome Cultural, apenas repassamos as informações. Boa Sorte!



2 de nov de 2007

Museu da Língua Portuguesa promove curso gratuito...






Museu da Língua Portuguesa promove curso gratuito sobre poetas incompreendidos pela literatura mundial

“Os Poetas Malditos” vai discutir autores e obras inovadoras que demoraram a ser lidas

O Museu da Língua Portuguesa promove a partir do dia 7 de novembro o curso “Os Poetas Malditos: Rebelião, Transgressão e Ruptura”.


Ministrado por Claudio Willer, o evento é dirigido a estudantes universitários, professores, poetas, escritores todos aqueles que gostem de poesia. O curso acontece sempre às quartas-feiras, das 14h às 17h, totalizando uma carga horária de 12 horas/aula, terminando no dia 28/11. As inscrições podem ser feitas pelo telefone (11) 3227 0402 ou via e-mail http://br.f383.mail.yahoo.com/ym/Compose?To=museu@museudalinguaportuguesa.org.

O termo ‘poetas malditos’ designa autores que, por incompreensão de contemporâneos ou pela ação da censura, demoraram para ser lidos e aceitos; e que, subseqüentemente, exerceram influência como inovadores. À categoria ‘maldito’ são associadas outras como ‘ruptura’, ‘tradição da ruptura’, ‘rebelião’ e ‘transgressão’. Pode ser entendida em contraste com a noção de ‘olímpico’: por exemplo, em meados do século XIX Baudelaire foi o ‘maldito’, e Victor Hugo o ‘olímpico’; na literatura brasileira, na altura de 1900, Cruz e Souza foi ‘maldito’, e Olavo Bilac ‘olímpico’.

Curso Poetas Malditos...

O curso examinará poetas malditos em duas etapas. A primeira focalizará suas origens históricas, românticas e simbolistas. A segunda será sobre poetas malditos na literatura brasileira, do século XIX aos contemporâneos, e portuguesa, da geração de Orfeu até poetas dos nossos dias.

Tratará, não apenas de autores, mas de questões associadas ao sentido do termo. Por exemplo, sua atualidade; a existência de ‘malditos’ contemporâneos; e, principalmente, sua projeção além dos limites da criação literária, em movimentos de vanguarda, na contracultura, em rebeliões sociais.

Programa:
1. As origens históricas: Gérard de Nerval e a idéia do poeta amaldiçoado; Baudelaire: pessimismo, blasfêmias e provocações;
2. Os ‘malditos’ que anunciaram e prepararam a modernidade literária e as vanguardas: Rimbaud, as iluminações e a poética visionária; Lautréamont, a destruição e recriação da literatura;
3. Malditos na literatura brasileira: simbolistas, excêntricos e surreais; de Sousândrade, passando por Cruz e Souza, Maranhão Sobrinho e Dario Veloso, até contemporâneos como Roberto Piva;
4. Malditos na literatura portuguesa: a geração de Orfeu: Pessoa como poeta maldito; Sá Carneiro; Raul Leal e a transgressão: a geração surrealista portuguesa: Cesariny, António Maria Lisboa, Cruzeiro Seixas e outros poetas; Al Berto e contemporâneos;
5. Discussão final: validade, atualidade e futuro do poeta maldito.

Contatos com Claudio Willer
http://br.f383.mail.yahoo.com/ym/Compose?To=cjwiller@uol.com.brhttp://www.secrel.com.%20br/jpoesia/%20cw.html


Vale a pena conferir!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário